Delegacia vai investigar Neymar por divulgação de vídeo íntimo

Compartilhe agora!

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) vai investigar o atacante Neymar Junior após o jogador ter divulgado, nas redes sociais, na noite do último sábado (1), vídeo com imagens íntimas da jovem que o acusou de estupro.

De acordo com a Polícia Civil, será instaurado nesta segunda-feira (3) inquérito para apurar o caso e o telefone do craque deverá ser apreendido para perícia.

LEIA TAMBÉM:
Paulo Guedes, o Tchutchuca, de novo na Câmara

“Vou instaurar procedimento, juntar vídeos e mensagens. Inicialmente, tentarei ouvir o Neymar e apreender o telefone”, informou o delegado da DRCI, Pablo Sartori.

Neste domingo (2), agentes da 110ª DP (Teresópolis-RJ) estiveram na Granja Comary, mas não encontraram o atacante no centro de treinamento da Seleção Brasileira.

Num vídeo postado pelo atacante em sua rede social, Neymar se defendeu da acusação de estupro e disse ser vítima de extorsão.

“Quem me conhece sabe do meu caráter e da minha índole. Sabe que eu jamais faria uma coisa desse tipo. O que aconteceu nesse dia foi uma relação entre homem e mulher, dentro de quatro paredes, algo que acontece com todo casal. É uma situação chata para mim e minha família. É muito triste acreditar que o mundo está assim. Existem pessoas que querem se aproveitar, extorquir as outras pessoas”, relatou.

A vítima, que teve a identidade preservada, registrou boletim de ocorrência em São Paulo, na sexta-feira (31), acusando Neymar de estupro. O crime, segundo ela, teria ocorrido num hotel em Paris, no dia 15 de maio. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo confirmou, em nota, a denúncia. “Houve uma denúncia registrada pela vítima na 6ª DDM (Delegacia de Defesa da Mulher). O inquérito policial segue em sigilo”.

O atleta será investigado pelo artigo 281-C do Código Penal, que diz que trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia, é crime que prevê pena de prisão de um a cinco anos.

Com informações do O Dia

Compartilhe agora!