Por Esmael Morais

Bolsonaro põe o Brasil na pior recessão em 13 anos

Publicado em 07/06/2019

A recessão na economia brasileira já é uma realidade e pode ser comprovada com a desaceleração de 0,13% da inflação no mês de maio. A ela também se soma outros indicativos negativos obtidos pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O pessimismo dos agentes macroeconômicos é corroborado ainda pela queda no nível da produção (medida pelo produto interno bruto), aumento do desemprego, queda na renda familiar, redução da taxa de lucro das empresas, aumento do número de falências e concordatas, aumento da capacidade ociosa e queda do nível de investimento dos setores públicos e privados.

LEIA TAMBÉM
Neymar é inocente para 63%, diz pesquisa

Por outro lado, na recessão, cresce o aumento dos lucros dos bancos com a concomitante taxa de juro alto.

A velha mídia comemora o “menor nível para o mês em 13 anos” da inflação para um mês de maio. O diabo é que ela esconde do mais desavisado que alguns preços caem e, consequentemente, a inflação porque não há consumo. Aliás, para ilustrar a discussão, na Antártica também não existe inflação por um único motivo: os pinguins não consomem como o povo consome nestas plagas.

Para piorar o cenário econômico nacional, governo-mídia-bancos fizeram uma diabólica aliança pela reforma da previdência com o intuito de descapitalizar os trabalhadores e capitalizar o sistema financeiro. Ou seja, haverá mais concentração de renda nas mãos de meia dúzia de banqueiros.

Resumo da ópera: Bolsonaro é uma tragédia para economia cujo efeito nefasto os jornalões estão retardando tal qual uma bomba.