Por Esmael Morais

Bolsonaro diz que Brasil e Argentina podem ter moeda comum

Publicado em 07/06/2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, disseram em Buenos Aires que o Brasil e a Argentina pretendem criar uma moeda comum que se chamaria “peso real”. A agência Efe divulgou a informação na madrugada desta sexta-feira 7, com declarações de fontes ligadas ao governo argentino.

A imprensa do país vizinho noticiou que o tema foi debatido ontem (6) em encontro de Guedes com empresários argentinos em um hotel em Buenos Aires, durante reunião que também teve a presença de Jair Bolsonaro e ministros do governo de Mauricio Macri.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro é recebido com protestos na Argentina

A iniciativa teve poucos detalhes revelados e foi apresentada como um projeto de “muito a longo prazo”.

“É algo muito a longo prazo. A moeda comum pode ser um projeto de longo prazo, mas requer uma convergência macroeconômica prévia”, disse uma fonte argentina à Agência Efe, confirmando que Paulo Guedes e o ministro da Fazenda da Argentina, Nicolás Dujovne, avançaram nas conversas e voltarão a tratar o tema na próxima cúpula do G20, em Osaka (Japão), no final deste mês.

Tanto o peso argentino – que tem sido altamente volátil e desvalorizado em mais de 50% no ano passado – quanto o real são duas moedas de mercados emergentes que sofrem de forma habitual as oscilações da economia internacional e os dois países, especialmente a Argentina, registram inflação alta.

A ideia de adotar uma moeda comum já surgiu em outras ocasiões da relação bilateral argentino-brasileira, embora não tenha seguido a diante.

Durante todo o dia, Macri e Bolsonaro e outros membros de seus governos apoiaram fortemente a necessidade de impulsionar o Mercosul.

“O Mercosul requer eficiência no comércio entre os membros, mas também que seja uma plataforma de abertura e de eficiência para o resto do mundo, como se vê em negociações estratégicas que estão perto de concluir, como a com a União Europeia”, disse o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Com informações da EFE