Reforma da Previdência é para ajuste fiscal, diz presidente de comissão especial

Publicado em 10 maio, 2019
Compartilhe agora!

O presidente da comissão especial da Reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), admitiu nesta sexta (10) que a Reforma da Previdência visa fazer um ajuste fiscal, não combater privilégios como apregoa o governo Jair Bolsonaro (PSL).

“Não é verdade que a reforma é só para combater privilégios, ela é também para fazer ajuste fiscal e pede sacrifício de pessoas de renda média e até algumas de renda baixa”, admitiu o presidente da comissão especial.

Mas Ramos jura que, mesmo assim, a Reforma da Previdência é necessária para gerar emprego para quem não tem renda nenhuma. Há divergências, no entanto.

LEIA TAMBÉM
Ministra Rosa Weber dá cinco dias para Bolsonaro explicar decreto

Na Reforma Trabalhista, aprovada em 2017, o então governo Michel Temer (MDB) também dizia que a retirada de direitos iria criar 6,3 milhões de novos empregos. Comprovou-se mentira. O desemprego aumentou para 13,3 milhões no mês de abril deste ano.

Para vender a ideia da Reforma da Previdência, este ano, Bolsonaro promete 4,6 milhões de novos empregos. A tendência é que o desemprego bata a casa dos 20 milhões até o fim deste ano, se o fim da aposentadoria e a redução de benefícios for aprovada.

Voltemos às impressões de Marcelo Ramos.

O parlamentar disse ainda após evento da FGV em São Paulo que o governo é o maior inimigo da Reforma da Previdência, ao analisar a inabilidade de Bolsonaro lidar com o Congresso Nacional.

Compartilhe agora!