Por Esmael Morais

Ministério Público apura ‘rachadinhas’ da ex-mulher de Bolsonaro

Publicado em 17/05/2019


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) apura as nomeações de familiares da ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Valle, mãe de um dos filhos do presidente, Jair Renan, no chamado caso das “rachadinhas” no gabinete do então deputado estadual e agora senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

A prática da “rachadinha” consiste na devolução de parte do salário dos funcionários ao detentor do mandato ou para um indicado dele, geralmente um articulador político do mandato.

Nove pessoas, a maioria integrante da família Siqueira Valle, de Ana Cristina, já tiveram seus sigilos fiscais e bancários quebrados, segundo divulgou o jornal “O Globo”, em uma decisão do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio) que data de 24 de abril.

Alguns parentes nomeados no gabinete do clã Bolsonaro foram: o pai de Ana Cristina, José Cândido Procópio Valle; a mãe dela, Henriqueta Guimarães Siqueira Valle; a irmã, Andrea Siqueira Valle; o irmão, André Luiz Procópio Siqueira Valle; uma prima, Juliana Siqueira Vargas; e um primo, André Luiz de Siqueira Hudson.

Ana Cristina viveu em união estável com o presidente por 10 anos, entre 1998 e 2008. No período, o escritório político da família de Bolsonaro ficava em uma casa no bairro de Bento Ribeiro, na capital do Rio de Janeiro. Já os familiares de Ana Cristina viviam em Resende, no sul do Estado.

*Com informações de O Globo