Por Esmael Morais

Bolsonaro é atingido pelo fracasso do golpe na Venezuela

Publicado em 01/05/2019

O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto.

O desastroso e fracassado movimento golpista de Juan Guaidó na Venezuela, nesta terça (30), atingiu politicamente os Bolsonaro no Brasil.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PSL), e seu filho, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), espécie de chanceler informal, eram entusiastas do golpe de Estado para derrubar o governo constitucional de Nicolás Maduro.

Guaidó, segundo Maduro, opera no território bolivariano como “laranja” do ex-presidenciável Leopoldo López — que fugiu ontem mesmo para a vizinha Colômbia. Ele seria o verdadeiro líder das tentativas de golpe no país, com o apoio dos EUA e Brasil.

LEIA TAMBÉM
Nos EUA, empresas desistem de patrocinar homenagem a Bolsonaro

A ala dos generais no governo Bolsonaro — vide general Augusto Heleno (ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional) e o vice general Hamilton Mourão — avalia que Juan Guaidó fracassou pela “precipitação”, “desorganização”.

Para os militares, o fracasso de ontem fortaleceu o presidente Nicolás Maduro e enterrou de vez a possibilidade de golpe Estado na Venezuela.

A opção bélica não está nos planos das Forças Armadas e o Congresso Nacional chamou para si o poder de decisão sobre hipotética declaração de guerra contra o país caribenho, de acordo com as palavras do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Maia respondeu Bolsonaro que achava ser de competência exclusiva do presidente da República de “Senhor da Guerra”. Nada disso. A Constituição Federal outorga esse papel ao parlamento.