Por Esmael Morais

Candidato da oposição vence eleições presidenciais no Panamá

Publicado em 06/05/2019

O opositor social-democrata Laurentino “Nito” Cortizo, do Partido Revolucionário Democrático (PRD), venceu neste domingo (05), por estreita margem, as eleições presidenciais do Panamá.

Contados 92% dos votos, o Tribunal Eleitoral considerou a tendência irreversível, apesar da diferença de apenas dois pontos percentuais de Cortizo sobre o empresário Rômulo Roux, líder do partido de direita Mudança Democrática (CD, em espanhol), também de oposição.

LEIA TAMBÉM: Lula receberá título de ‘Personalidade do Ano’ de 2019

“A vitória é nossa. Graças a Deus que o Panamá decidiu o seu futuro hoje [domingo], o Panamá ganhou! Apelo a todos os panamianos que se unam para resgatar o país e construir pontes que nos levem adiante”, disse o ex-ministro da Agricultura, de 66 anos, a apoiadores, em seu discurso da vitória.

Já Roux, apoiado pelo ex-mandatário Ricardo Martinelli, que está detido, anunciou que não reconhecerá os resultados. “Hoje [domingo], nós não vamos aceitar nenhum resultado das eleições para presidente”, disse. “Temos informação de irregularidades, e não vamos reconhecer o resultado até termos contado as atas”, acrescentou.

O social-democrata obteve 33,08% dos votos, contra os 31,06% de Roux. Menos de 40 mil votos separam os dois principais candidatos, segundo dados oficiais. A apuração mostra em terceiro lugar o candidato livre Ricardo Lombana, com pouco mais de 19% dos votos, enquanto na quarta posição aparece o candidato governista José Blandón, com mais de 10% dos votos.

A vitória do ex-ministro trouxe de volta ao poder executivo o histórico Partido Revolucionário Democrático, depois de dez anos na oposição. Na corrida à presidência, Cortizo apresentou um discurso nacionalista com promessas de governar com autonomia e firmeza, para reorientar o Estado através de uma reforma legislativa constitucional e reduzir a corrupção, depois de um escândalo envolvendo a empreiteira Odebrecht.

A empresa brasileira admitiu ter distribuído ao menos 100 milhões de dólares em propinas a servidores públicos entre 2006 e 2014. A Odebrecht concordou em compensar o Panamá com 220 milhões de dólares em reparações ao longo de 12 anos, o que levou ao arquivamento do processo contra a construtora.

Esta foi a sexta eleição geral desde a queda do presidente Manuel Noriega, em 1989, e a primeira após a reforma do código eleitoral, em 2017.

Durante os meses que antecederam estas eleições presidenciais, legislativas e locais, a população do Panamá, com cerca de 3,8 milhões de habitantes, demonstrou preocupação com questões como o combate à corrupção, uma nova Constituição e os combates ao crime, ao desemprego e ao alto custo de vida.

Com informações da Deutsche Welle