Vereador do PSL é preso em Belo Horizonte

Publicado em 2 abril, 2019
Vereador Claúdio Duarte -PSL

O vereador de Belo Horizonte (MG), Claúdio Duarte, do mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL, foi afastado das funções e preso temporariamente nesta terça-feira (2) sob suspeita de praticar “rachadinha” e ameaçar funcionários.

LEIA TAMBÉM:
Forças Armadas se movimentam; Bolsonaro antecipa volta ao Brasil

Segundo a polícia, Cláudio Duarte foi preso porque ficava com parte do salário dos funcionários do seu gabinete parlamentar. As investigações apontam que ele teria embolsado R$ 1 milhão em apenas dois anos de mandato. Além dele, foi também foi preso temporariamente o seu chefe de gabinete Luiz Carlos Cordeiro, a quem caberia a o recolhimento dos salários dos funcionários.

O delegado Domiciano Monteiro, chefe da Divisão de Fraudes e Crimes contra o Patrimônio, afirmou que alguns dos funcionários do vereador “vinham sendo constrangidos a não falar e até ameaçados para que mentissem”.

Apesar de ter sido afastado das funções e preso, o vereador vai continuar recebendo o salário de R$ 17.642,33 e, por enquanto, a Câmara Municipal de Belo Horizonte não vai convocar o suplente.

De acordo com o Legislativo municipal, o substituto só vai ser chamado quando o afastamento ultrapassa os 60 dias, exato período que dura o afastamento decretado pela Justiça a pedido da Polícia Civil.

A chamada “rachadinha” é a prática de repartir o salário dos funcionários de gabinete com o parlamentar, o mesmo crime que é investigado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, onde o atual senador Flávio Bolsonaro, também do PSL e filho do presidente Jair Bolsonaro, é investigado.

Com informações do Estado de Minas