Por Esmael Morais

Palestina pode romper com Brasil após escritório de Bolsonaro em Jerusalém

Publicado em 01/04/2019

A Autoridade Palestina convocou seu embaixador no Brasil, após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciar a abertura de um escritório de representação comercial em Jerusalém.

“O ministério entrará em contato com o embaixador da Palestina no Brasil para consultas, a fim de tomar as decisões apropriadas para enfrentar tal situação”, afirma comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina.

Quando uma nação quer mostrar forte descontentamento com outra procede-se a chamada do embaixador de volta ao país de origem. Este é um primeiro passado para o rompimento diplomático.

LEIA TAMBÉM
Gleisi Hoffmann: Por que o Brasil não cresce

Bolsonaro visita Israel e havia prometido a transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, cidade considerada sagrada por muçulmanos, cristãos e judeus.

O anúncio do escritório de negócios em Jerusalém foi anunciado neste domingo (31) ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a uma semana da eleição israelense. Bolsonaro é o principal trunfo político de “Bibi” — como é conhecido o premiê.

O problema é que um possível rompimento de laços da Autoridade Palestina, necessariamente, afetará as relações comerciais do Brasil com todo o mundo árabe. Quase 50% das exportações brasileiras de frango têm como destino os países do Oriente Médio. Eles também são os grandes compradores de carne bovina do Brasil.

A decisão de Jair Bolsonaro atingirá principalmente os estados do Sul — Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul — que são os maiores produtores de carne de frango do país, segundo o IBGE.