Por Esmael Morais

Laranjal do PSL: Joice Hasselmann cobra apuração de ameaças do ministro do Turismo

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou à Folha de S.Paulo que “todas as providências cabíveis” devem ser tomadas se forem confirmadas as acusações da deputada Alê Silva (PSL-MG) contra o ministro Marcelo Alvaro Antonio (Turismo). “Não conheço os detalhes da denúncia

Publicado em 14/04/2019

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou à Folha de S.Paulo que “todas as providências cabíveis” devem ser tomadas se forem confirmadas as acusações da deputada Alê Silva (PSL-MG) contra o ministro Marcelo Alvaro Antonio (Turismo).

“Não conheço os detalhes da denúncia de ameaça, nem se de fato ela existe ou não. Porém, se o relato for real, todas as providências cabíveis devem ser tomadas, tanto as políticas, quanto as jurídicas. Ameaça a qualquer ser humano é crime. A um parlamentar, é crime contra democracia”, disse Joice.

Em reportagem publicada no sábado (13), a Folha mostrou que Alê Silva acusa o ministro do Turismo de tê-la ameaçado de morte. Ela prestou depoimento à polícia na última semana e pediu proteção.

Em entrevista à Folha, Alê confirmou o esquema de candidaturas de laranjas, comandado por Marcelo Álvaro Antônio em Minas Gerais, e afirmou ter recebido a informação de que o ministro do Turismo a ameaçou de morte em uma reunião com correligionários, no fim de março, em Belo Horizonte, por ter denunciado o caso ao Ministério Público.

A deputada federal prestou depoimento espontâneo à Polícia Federal em Brasília, na quarta (10), ocasião em que solicitou a proteção policial.

Eleita com 48 mil votos, Alê Silva é a primeira congressista a relatar às autoridades a existência de esquema de laranjas do PSL de Minas. Ela deve prestar novo depoimento nas próximas semanas.
Álvaro Antônio nega ter feito ameaças e diz que a deputada faz campanha difamatória contra ele em busca de espaço no partido no estado.

O presidente Jair Bolsonaro e seus ministros não se manifestaram sobre o assunto até o momento.

*Com informações da Folha de São Paulo