Greve une caminhoneiros, professores e agentes penitenciários no Paraná

Publicado em 22 abril, 2019
Compartilhe agora!

Governo Bolsonaro teme que categorias se unam contra a reforma da previdência.
A próxima segunda-feira, dia 29 de abril, promete ser bastante agitada no Paraná. Caminhoneiros, professores e agentes penitenciários marcaram greve nesta mesma data.

A paralisação dos profissionais do magistrado e dos agentes penitenciários terá três peculiaridades: 1- lembrará os 4 anos do massacre que sofreram em 29 de abril de 2015, no governo Beto Richa (PSDB); 2- denuncia a reforma da previdência de Jair Bolsonaro (PSL); e 3- cobrança do atual governador Ratinho Junior (PSD) a reposição salarial de ambas as categorias.

LEIA TAMBÉM
Parentes de miliciano que assessoraram Flávio Bolsonaro na Alerj sequer tinham crachá

Quanto aos caminhoneiros que também irão parar no mesmo dia, eles têm como pauta imediata 1- o fim contra o tabelamento do frete e 2- a guerra contra o aumento abusivo no preço do diesel. O Combustível subiu até 30% desde a posse de Bolsonaro.

A tendência é que a greve dos caminhoneiros, se durar mais de dois dias, engrosse as manifestações de 1º de Maio, o Dia do Trabalhador, cuja data foi unificada pelas centrais sindicais na resistência à reforma da previdência — que igualmente atinge os profissionais das estradas e seus familiares.

Compartilhe agora!