Por Esmael Morais

Carlos Bolsonaro também empregou assessor ligado a Fabrício Queiroz

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), empregou em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio o ex-marido da atual mulher de Fabrício Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, e pai da sua enteada, Evelyn Melo de Queiroz. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15) pelo Estadão. LEIA TAMBÉM: Em carta a autoridades de Israel,

Publicado em 15/04/2019

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), empregou em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio o ex-marido da atual mulher de Fabrício Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, e pai da sua enteada, Evelyn Melo de Queiroz. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15) pelo Estadão.

LEIA TAMBÉM:
Em carta a autoridades de Israel, Bolsonaro revê declaração sobre ‘perdoar o Holocausto’

Márcio da Silva Gerbatim esteve lotado como motorista no gabinete de Carlos por dois anos, entre abril de 2008 e abril de 2010, quando foi exonerado para ser nomeado no gabinete de outro filho do presidente, o então deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) no cargo de assessor-adjunto, no qual ficou até 9 maio de 2011.

De acordo com a reportagem, no mesmo dia em que Gerbatim trocou a Câmara Municipal pela Assembleia, Carlos Bolsonaro nomeou um ex-assessor do irmão, Claudionor Gerbatim de Lima, que acabara de ser exonerado do gabinete de Flávio.

A reportagem destaca que assim como Queiroz, Márcio Gerbatim também integrou a Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército e teve uma filha, Evelyn Mayara de Aguiar Gerbatim, que é enteada de Queiroz, empregada no gabinete de Flávio na Alerj, de agosto de 2017 até fevereiro deste ano.

Queiroz também teve sua família empregada no gabinete de Flávio: a mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, e suas filhas, Evelyn Melo de Queiroz e Nathália Queiroz. Nathália também esteve lotada no gabinete de Jair Bolsonaro, em Brasília, de dezembro de 2016 a 15 de outubro de 2018.

Procurado pelo Estadão, Carlos Bolsonaro negou, por meio da assessoria, que Queiroz tenha tido influência em seu gabinete na Câmara Municipal, onde é vereador desde 2001. Segundo ele, Márcio Gerbatim foi nomeado no gabinete “face sua experiência na função de motorista e não por indicações” e que “nunca nenhum parente de Fabrício Queiroz foi nomeado neste gabinete”. A assessoria também respondeu que o vereador não sabia que Gerbatim era ex-marido da mulher de Queiroz.