Por Esmael Morais

Bolsonaro se solidariza com Gentili, condenado à prisão por injúria

Publicado em 11/04/2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) usou o Twitter na manhã desta quinta-feira (11) para prestar solidariedade ao humorista Danilo Gentili, condenado a seis meses e 28 dias de prisão em regime semiaberto por injúria à deputada federal Maria do Rosário (PT-RS).

LEIA TAMBÉM:
Lula é o melhor presidente da história do Brasil, diz Vox Populi

“Me solidarizo com o apresentador e comediante @DaniloGentili ao exercer seu direito de livre expressão e sua profissão, da qual, por vezes, eu mesmo sou alvo, mas compreendo que são piadas e faz parte do jogo, algo que infelizmente vale para uns e não para outros”, escreveu o presidente na rede social.

Gentili foi condenado por, em 2016, publicar uma série de tuítes chamando a deputada de “falsa”, “cínica” e “nojenta”. Quando recebeu a notificação extrajudicial pedindo que apagasse as mensagens, o apresentador gravou um vídeo rasgando o documento e o colocando dentro das calças.

A defesa de Gentili afirmou, no processo, que as publicações eram apenas humorísticas, mas a justificativa não foi aceita pela juíza federal Maria Isabel do Prado. O humorista pode recorrer da decisão.

Ofensas à deputada gaúcha também renderam uma condenação ao presidente Bolsonaro. Em março, ele teve um recurso negado no Supremo Tribunal Federal (STF) e foi condenado a pagar indenização de R$ 10 mil a Maria do Rosário por danos morais.

Em 2014, Bolsonaro disse que não estupraria Maria do Rosário pois ela não mereceria, “porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria. Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar, porque não merece”.

A mesma declaração rendeu uma denúncia criminal oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em que Bolsonaro responde por injúria, apologia e incitação ao crime de estupro. Com a posse na Presidência da República, o processo foi suspenso.


Com informações da Veja