Requião, ao lado de trabalhadores, lidera resistência à reforma da previdência no Paraná

Manifestação contra a reforma da previdência na praça Santos Andrade, em Curitiba. Foto Eduardo Matysiak.

Roberto Requião (MDB-PR) voltou às origens nesta sexta-feira (22), em Curitiba, ao liderar a resistência à reforma da previdência ao lado de sindicatos e lideranças dos movimentos populares.

O ex-senador iniciou sua militância política-partidária no início dos anos 80 como advogado de associações de moradores e de sindicatos de trabalhadores na capital paranaense.

Requião mostrou-se hoje bastante à vontade entre sindicalistas, lideranças populares, petistas, psolistas, comunistas e afins. “Parecia um guri liderando manifestação estudantil”, observou um deputado do PT.

Aliás, foram esses movimentos populares curitibanos que o elegeram pela primeira vez à Assembleia Legislativa e, depois, ao executivo municipal em 1985.

LEIA TAMBÉM
“E se fosse você?” mostra ataques contra Maria do Rosário; assista

Há quem veja na movimentação de Roberto Requião um “relançamento” na política, qual seja, o velho militante poderá ingressar no PT para disputar a Prefeitura de Curitiba no ano que vem.

Adversários do ainda emedebista temem a entrada do ex-parlamentar na corrida de 2020. Prova disso, a Paraná Pesquisas não revelou esta semana a intenção de voto “estimulada” de Requião dentre os demais pré-candidatos.

Segundo o levantamento do instituto, a disputa pela Prefeitura de Curitiba está mais emboladíssima entre quatro postulantes.

Comentários encerrados.