prosulSantiago

Prosul nasce excludente e com viés ideológico conservador


Os presidentes do Chile, Colômbia, Argentina, Brasil, Equador, Peru e Paraguai lançaram em Santiago nesta sexta-feira (22) as bases do novo bloco regional que visa substituir a Unasul, o Fórum para o Progresso da América do Sul (Prosul).

O Prosul nasce sob o signo da onda conservadora e de direita em curso na América do Sul, a nova entidade promete um maior alinhamento político e ideológico com o governo dos Estados Unidos. O Uruguai e a Bolívia, que enviaram representantes para a reunião, não assinaram o documento de adesão ao Prosul. A Venezuela foi excluída.

“Foi um bom dia para a colaboração, o diálogo, o entendimento e a integração na América do Sul, porque por mais de cinco anos os presidentes da América do Sul não tiveram a oportunidade de se encontrar”, disse o presidente chileno Sebastián Piñera, após a assinatura da declaração que inicia o processo de constituição do Fórum para o Progresso da América do Sul (Prosul).

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, rejeitou a criação do novo fórum porque, na sua opinião, ele comete os mesmos “erros” da Unasul, que nasceu com “um objetivo ideológico”.

*Com informações de Agências

Comentários encerrados.