Jair Bolsonaro pode sofrer impeachment por vídeo pornô, diz Miguel Reale Junior

A publicação do vídeo pornô pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) pode lhe custar o cargo. É o que diz o advogado Miguel Reale Junior, um dos autores do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Segundo o jurista, a publicação de vídeo no Twitter contendo cenas escatológicas configura quebra de decoro pelo presidente Jair Bolsonaro.

Reale Junior lembra que a lei 1.079 de 1950, a lei do impeachment, que define os crimes de responsabilidade do presidente da República, deixa claro que é crime contra a probidade na administração “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro calculou ataque ao Carnaval, diz Cappelli

A desnecessidade da publicação do vídeo — com cenas grotescas — seria um motivo a mais para requerer o impeachment de Bolsonaro, afirma o advogado.

A repercussão da pornografia postada pelo presidente da República alcançou o mundo. A imprensa internacional — com destaque ao New York Times e The Guardian — estamparam o que eles consideram ridículo do brasileiro.

A baixaria de Bolsonaro lidera os temas discutidos no Twitter mundial nesta Quarta-Feira de Cinzas.

Assista ao polêmico vídeo:

Comentários encerrados.