Por Esmael Morais

Governo já começa a “amaciar” Previdência para tentar fazer reforma avançar

Publicado em 27/03/2019

Diante da completa incapacidade de articulação do governo Bolsonaro no Congresso, a equipe econômica já sinaliza com a retirada de algumas das medidas mais agressivas previstas na “reforma” da Previdência.

LEIA TAMBÉM: Para fugir do fiasco, Guedes falta a reunião da CCJ da Câmara

A questão é que a reforma proposta é tão ruim, que nem os aliados do próprio partido do presidente votariam a favor.

A sinalização do governo é no sentido de manter o Benefício de Prestação Continuado em um salário mínimo, ao invés de reduzir para R$ 400. Esse benefícios é pago a idosos e deficientes de baixa renda.

Outro recuo foi na exigência da contribuição previdenciária para os trabalhadores rurais.

Essas duas mudanças foram oferecidas só para abrir a conversa com os deputados. Se a reforma começar a andar, muita coisa ainda deve ser alterada.

Se não andar, o governo Bolsoanro perde o sentido e o apoio do “deus mercado”. O apoio popular já está derretendo desde janeiro.

Com informações do Globo.