Por Esmael Morais

Doria critica Damares sobre auditoria nas indenizações dos anistiados políticos

Publicado em 28/03/2019


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou a decisão da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, de fazer uma auditoria nas indenizações concedidas pela Comissão Nacional de Anistia nos governos anteriores. Segundo informa o site BuzzFeed News.

A ministra disse na quarta-feira (27) que vai rever os processos de anistia e destacou os nomes dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, do PT, como alvos de investigação.

“Há coisas mais importantes neste momento a serem feitas do que a busca por culpados no passado. A meu ver, o governo deveria focar integralmente o seu tempo em políticas sociais e de desenvolvimento daqui para a frente. Não desrespeito a ministra, mas entendo que olhar para a frente é mais produtivo do que olhar para trás”, disse o governador paulista ao BuzzFeed News nesta quinta-feira (28).

O site localizou o pedido de indenização em nome de João Agripino da Costa Doria, pai do governador, na lista que conta com milhares de anistiados pela comissão, que foi criada em 2001, no final do governo do tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Deputado cassado nove dias depois do golpe militar de 1964, Doria pai exilou-se em Paris, com a mulher e os dois filhos, João Doria, 6, e Raul, 1. Publicitário de sucesso e parlamentar, ele teve de deixar uma vida de luxo em São Paulo para escapar da perseguição do regime militar, que cassara seus direitos políticos por dez anos.

Segundo balanço divulgado ontem pelo Ministério dos Direitos Humanos, a Comissão Nacional da Anistia recebeu, desde 2001, 67 mil pedidos de reparação. Destes, 24 mil foram negados e 39 mil foram concedidos. Outros 11 mil pedidos estão pendentes. Até hoje, a União gastou R$ 10 bilhões com as indenizações, ainda segundo Damares.

*As informações são do site BuzzFeed