Trabalhadores e lideranças sindicais protestam contra o fechamento da fábrica da Ford no ABC

Publicado em 26 fevereiro, 2019

Trabalhadores da Ford, em São Bernardo do Campo, na Região do ABC Paulista, realizaram na manhã desta terça-feira (25) uma passeata contra o fechamento da fábrica anunciada pela direção da empresa norte-americana.

Em greve desde o anúncio de fechamento da fábrica que produz caminhões, no último dia 19, os metalúrgicos realizaram uma assembleia para discutir os rumos da mobilização e a estratégia da luta pela manutenção dos empregos na montadora e em toda a cadeia produtiva da indústria automobilística. Depois, seguiram em caminhada pelo centro da cidade.

.

Representantes de sindicatos de várias categorias profissionais, filiados a CUT e demais centrais sindicais, trabalhadores de outras empresas e movimentos sociais participaram da assembleia realizada na porta da montadora e da caminhada.

O fechamento da planta da Ford no ABC impacta mais de 27 mil trabalhadores, direta e indiretamente – tanto da Ford quanto das fábricas que produzem peças automotivas, prestadores de serviços, restaurantes e comércio da redondeza. Isso sem contar o impacto na economia da região.

Os trabalhadores iniciaram uma campanha pedindo para que ninguém compre nenhum veículo da montadora até o próximo dia 7, quando representantes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC vão negociar com a matriz, nos Estados Unidos, medidas que garantam a permanência da Ford e os empregos no ABC.

.

No mesmo momento da assembleia em São Bernardo, os Metalúrgicos de Taubaté estavam realizando ato em solidariedade aos trabalhadores da Ford. Também nesta terça-feira vários trabalhadores de concessionárias da Ford em Minas e no Rio Grande do Sul manifestaram repúdio nesta decisão da Ford.

*Com informações da CUT