Ministro Marco Aurélio mantém decisão que mandou Bolsonaro indenizar Maria do Rosário

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, rejeitou recurso do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e manteve a decisão que havia determinado pagamento de R$ 10 mil de indenização por danos morais à deputada Maria do Rosário (PT-RS). A decisão foi publicada nesta terça-feira (19) no Diário de Justiça Eletrônico.

LEIA TAMBÉM:

Família Bolsonaro opera afastamento de Bivar da presidência do PSL

Bolsonaro foi condenado em primeira instância em 2015 por ter afirmado que Maria do Rosário não merecia ser estuprada porque ela é “muito feia” e não faz o seu “tipo”. Dois anos depois, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão.

A defesa de Bolsonaro recorreu ao STF sob o argumento de que as declarações estavam protegidas pela imunidade parlamentar — alegação que já havia sido rejeitada pelo STJ.

Em sua decisão, o ministro Marco Aurélio afirmou que o recurso ao STF pretendia gerar um reexame das provas, o que não possível segundo o entendimento da Corte.

“Ficou assentado pelas instâncias coletoras da prova nada concernir à atividade parlamentar as ofensas do recorrente”, escreveu o ministro do Supremo na decisão.

Marco Aurélio ainda aumentou o valor que Bolsonaro deve pagar como honorários à defesa de Maria do Rosário, de 10% para 15% do valor da causa.

Bolsonaro ainda é réu em outras duas ações no Supremo por essa mesma declaração, mas elas foram suspensas no último dia 11 de fevereiro pelo ministro Luiz Fux porque é o atual presidente da República e não pode responder por fatos anteriores ao mandato.

O presidente pode recorrer da decisão.

Com informações do G1 e Folha

Comentários encerrados.