Marco Aurélio remeteu pedido de Flávio Bolsonaro ao lixo

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta sexta-feira (1) o pedido do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para suspender as investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) desencadeadas por movimentações financeiras consideradas “atípicas” pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). A informação é da jornalista do G1, Andréia Sadi.

LEIA TAMBÉM:

Flávio Bolsonaro usa bandeira do Brasil para limpar “lágrimas de crocodilo”; assista

No pedido, Flávio alega que tem a prerrogativa de foro privilegiado porque foi eleito senador e que, por isso, seu caso deve ficar sob a responsabilidade do STF. Além disso, o senador eleito também pede que as provas coletadas até então sejam anuladas, uma vez que, no seu entendimento, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) não poderia ter obtido informações do COAF sem autorização especial da Justiça.  

O ministro Marco Aurélio já havia sinalizado que rejeitaria o pedido do senador eleito. 

 “Tenho negado seguimento a reclamações assim, remetendo ao lixo”, afirmou o ministro numa ocasião. 

Flávio Bolsonaro e seu ex-motorista Fabríco Queiroz são alvos de procedimento investigatório no MPRJ iniciado a partir de relatórios do COAF. O conselho identificou movimentação financeira suspeita na conta de Queiroz e também na conta de Flávio Bolsonaro. 

O MPRJ acredita que os assessores do gabinete de Flávio Bolsonaro eram obrigados a devolver parte do salário a Queiroz, que posteriormente repassava ao parlamentar.

Comentários encerrados.