Haddad abre hoje, a partir do Ceará, nova batalha pela libertação de Lula

O candidato do PT na eleição presidencial, Fernando Haddad, reinicia nesta sexta-feira (15), desde o Ceará, o novo périplo pela libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A batalha por Lula Livre, como os petista a chamam, consiste em percorrer o Brasil para dialogar com o povo e denunciar a perseguição judicial a Lula.

Haddad retoma as viagens pelo Brasil no momento em que a luta pela libertação de Lula se acirra após mais uma condenação arbitrária e apressada, dessa vez pela juíza temporária e substituta do ministro Sérgio Moro, Gabriela Hardt.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro é enquadrado por aliados que o obrigam “demitir” filho problema

“O que estamos construindo é uma rodada de discussão. Às vezes a gente se dispõe a lutar pela bandeira do Lula Livre mas nem sempre fazemos a reflexão para conversar com aquelas pessoas do nosso bairro, do trabalho, da família, pessoas que não estão recebendo as informações para formar juízo sobre o que de fato o que está acontecendo”, afirmou Haddad.

“Em 30 dias apresentaram o maior projeto de atraso para o Brasil. Jogam o Brasil de volta a 30, 40 anos, atrás. São retrocessos na Saúde, na Educação, Direitos Humanos, Meio Ambiente. O Brasil quer discutir e quer promover esses debates. Se apenas nós estivermos conscientes do que está acontecendo, nós não vamos transformar o país”.

Advogado de Lula, Haddad destaca que ambas as sentenças que condenaram o ex-presidente à prisão não conseguiram expor nenhum ato de corrupção por parte de Lula.

“Quando uma pessoa é acusada de corrupção existe um pressuposto básico: você precisa indicar qual foi a decisão que a pessoa tomou que conflitou com um interesse nacional, além de ter obtido com isso alguma vantagem. Então são duas coisas que você precisa provar. Nos dois processos não houve nenhum ato, sequer insinuação. Sem isso, não se pode condenar ninguém por corrupção, nem do PT, nem de fora do PT”.

“Todo mundo presta atenção a tudo que Lula faz e fala, tudo que ele assina, tudo passou por exame. E não conseguiram, em anos de investigação, mostrar um ato do presidente Lula que tivesse contrariado o interesse do povo nos seus oito anos de governo. Falo isso como advogado do Lula, não como amigo. A tese ali não se sustenta”, destacou Haddad.

Caravanas

Coordenador da caravana Lula Livre e membro da Executiva do Comitê Nacional Lula Livre, Márcio Macedo afirmou que a luta pela liberdade de Lula deve ser prioridade em oposição aos retrocessos impostos pelo governo Bolsonaro.

“A centralidade da nossa ação política precisa ser a campanha Lula Livre. Pela democracia, pelo Estado Democrático de Direito, contra retirada de direitos dos trabalhadores, por justiça social. As caravanas têm esse caráter de retomar o debate público junto ao povo, como o presidente Lula tem feito durante toda sua vida pública”, afirmou Macedo.

O Ceará marca a primeira etapa da série de viagens que se inicia nesta sexta-feira.

Serviço
Seminário “O Brasil que saiu das urnas” com Fernando Haddad e ato por Lula Livre
Data: 15 de Fevereiro – 18h
Local: Hotel Oásis Atlântico – Av. Beira Mar, 2500 – Meireles, Fortaleza – CE

Comentários encerrados.