Fiocruz prevê surtos de doenças infecciosas em Brumadinho

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou um estudo nesta terça-feira (5) prevendo surtos de diversas doenças na região de Brumadinho.

Dengue, febre amarela, esquistossomose e leptospirose, doenças respiratórias, problemas de hipertensão e transtornos mentais devem aparecer já nas próximas semanas.

LEIA TAMBÉM: Recado do Lula: governo aprofunda desigualdade e não resolve problemas do povo

O pesquisador Carlos Machado de Freitas, um dos responsáveis pelo levantamento, destacou o risco de aumento das doenças transmitidas por mosquitos vetores, como a dengue e febre amarela, e lembrou a experiência da ruptura de outra barragem da Vale pouco mais de três anos atrás, em Mariana.

“No caso de Barra Longa (MG) [cidade vizinha ao local do rompimento da barragem da Samarco, em 5 de novembro de 2015], depois de Mariana houve um aumento expressivo de mais de 3.000% de casos de dengue. A área de Brumadinho foi uma área de transmissão de febre amarela”, pontuou.

LEIA TAMBÉM: Câmara e Senado têm pedidos para investigar crimes da Vale em Brumadinho

Também devem surgir problemas respiratórios e de pele, principalmente a partir do momento em que a lama começar a secar; porque ela se transforma em poeira e a população passa a ter contato com ela.

Esses efeitos podem começar a ser sentidos já nas próximas semanas, mas alguns serão vistos apenas a longo prazo — como, por exemplo, a contaminação por chumbo, cádmio e mercúrio, que já foram identificados na lama.

Com informações do Portal da CTB.