Espionar Igreja é volta à repressão, diz PT

O PT emitiu uma nota na noite deste domingo (9) na qual considera muito grave a espionagem do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) contra a Igreja Católica feita por meio do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).

LEIA TAMBÉM:

Dilma Rousseff: A “inteligência” na qual não se deve acreditar

“A ordem de “neutralizar isso aí”, como se referiu o general ao Sínodo da Amazônia, remete o Brasil de volta aos tempos da repressão aos que lutaram pela liberdade e pelos direitos do povo”, diz trecho da nota. 

Confira a íntegra da nota: 

É muito grave a notícia divulgada hoje (10/02) de que o governo Bolsonaro está espionando as atividades da Igreja Católica por meio do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Abin. 

O alto grau de intolerância e autoritarismo deste governo se revela na forma como o general Augusto Heleno, chefe do GSI, admite a espionagem e ataca politicamente a Igreja, por debater em alto nível a realidade da Amazônia. 

Diversas denominações religiosas – não somente a católica – têm se posicionado em relação às grandes questões da atualidade, entre as quais a preservação da Amazônia e à vida dos povos que habitam a floresta. 

O Sínodo da Amazônia é uma grande oportunidade de trazer esses temas à evidência. É um espaço qualificado de informação, debate e mobilização. Tratá-lo como ameaça à soberania ou à segurança nacional é sintoma de ignorância e preconceito. 

A ordem de “neutralizar isso aí”, como se referiu o general ao Sínodo da Amazônia, remete o Brasil de volta aos tempos da repressão aos que lutaram pela liberdade e pelos direitos do povo. 

Atitudes como essa do governo Bolsonaro, além de ferir nossa democracia, estão destruindo a imagem do Brasil ao redor do mundo. 

Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT

Comentários encerrados.