Por Esmael Morais

Bolsonaro rebate ator americano e nega censura a filme sobre “cura gay”

Publicado em 04/02/2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) usou o Twitter na noite deste domingo (3) para negar que tenha mandado censurar no Brasil um filme norte-americano sobre “cura gay”.  

LEIA TAMBÉM:

Dallagnol comemora vitória de Alcolumbre em rede social

“Fui informado de que um ator americano está me acusando de censurar seu filme no Brasil. Mentira! Tenho mais o que fazer. Boa noite a todos!”, tuitou o presidente. 

O ator norte-americano Kevin McHale, famoso por sua participação na série Glee, acusou Bolsonaro, em uma postagem no Twitter, de censurar o filme.  

“Então começou. Boy Erased acabou de ser banido no Brasil. Bolsonaro é uma ameaça e um perigo para a comunidade LGBTQ+ no Brasil. Censurar um filme sobre os perigos da terapia de conversão é só o começo”, escreveu o ator na rede social.  

A Universal, distribuidora do filme “Boy Erased – Uma verdade anulada” no Brasil, negou a censura, mas anunciou que não levará o longa às salas de cinema do país.  

Para o ator, Bolsonaro não precisava mandar censurar o filme pessoalmente, mas que o ambiente que ele havia criado no Brasil com sua eleição incentivava este tipo de coisa. 

Baseado em fatos reais, o filme conta a história de um jovem homossexual de uma família extremamente religiosa no Sul dos Estados Unidos que é submetido a um traumático processo de “cura gay” da igreja que seus pais frequentam.  

Com informações do Uol