Por Esmael Morais

Bolsonaro é enquadrado por aliados que o obrigam “demitir” filho problema

Publicado em 15/02/2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi enquadrado por aliados que o obrigaram a “demitir” seu filho Carlos Bolsonaro, o Carluxo, das atividades de governo.

Considerado filho problema, ao menos pelos aliados na Câmara e no Senado, Carluxo exigia a demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, após crise dos candidatos laranja do PSL.

LEIA TAMBÉM
Após ameaças, Bolsonaro decide manter Bebianno

Bebianno elevou o tom e disse que derrubaria o presidente da República se fosse demitido como um cachorro. Após a elevação da temperatura, o núcleo militar do governo atuou como bombeiro e, juntamente com a base de sustentação no Congresso, enquadrou Jair Bolsonaro.

O que depôs contra Carluxo foi o vazamento por ele, nas redes sociais, de uma conversa particular de Bebianno com o pai Jair Bolsonaro. Os aliados temem que o filho problema faça o mesmo com eles, por isso sustentaram o ministro. Ou seja, agiram em favor de Bebianno mais por medo do que por afinidade.

É certo que Bolsonaro não demitiu o ministro hoje e possivelmente não o fará nas próximas horas, porém Bebianno sempre continuará na marca do pênalti. Ele é, atualmente, o ministro mais vulnerável no Palácio do Planalto. Pode cair a qualquer momento.

Embora Carlos seja o ‘escolhido’ de Bolsonaro, ele não tem cargo formal no governo. O filho é vereador na cidade do Rio de Janeiro. Durante a campanha presidencial o galalau cuidou das redes sociais do pai. Portanto, a “demissão” de Carluxo se deu apenas no plano moral com o confisco do celular do presidente da República.