MST faz protesto e diz que a Vale continua retirando minério de Brumadinho

Integrantes da Frente Brasil Popular e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) bloquearam a estrada usada pela mineradora Ferrous, a 3 Km de Brumadinho. O protesto foi na tarde desta quinta-feira (31).

Segundo o Portal Brasil de Fato, cerca de 300 manifestantes paralisaram os trens e caminhões da mineradora.

Eles afirmam que a empresa Ferrous, que é de propriedade da Vale, continua levando minério de ferro da região, mesmo após o rompimento da barragem na última sexta-feira (25).

“A gente fica por entender, né? Porque do outro lado tem a notícia que tem centenas de trabalhadores assassinados pela lama da Vale. Ao mesmo tempo as empresas de mineração de Brumadinho continuam trabalhando”, afirma Cristiano Meirelles, da coordenação MST.

De acordo com Cristiano, a mineradora intensificou o número de veículos carregados de minérios de ferro nos últimos dias.

O último relatório do corpo de bombeiros aponta que 99 corpos foram encontrados até o momento, e 257 pessoas seguem desaparecidas.

O protesto também serve para prestar solidariedade às famílias atingidas e denunciar a atuação das mineradoras, especialmente a Vale, explica o sem-terra.

“Temos 600 famílias acampadas a mais de um ano a 3km da cidade de Brumadinho, às margens do rio Paraopeba. Recebemos a notícia que temos que sair 100 metros da beira do rio, mas essas famílias não tem para onde ir”, conta Cristiano.

“As famílias aqui não têm como se sustentar, elas vivem da roça produzida com a água do rio, elas e os animais bebem a água do rio. Essas famílias moram na beira do rio. Por isso juntamos com outras organizações para denunciar o descaso que a Vale em tido com os trabalhadores”, conta.

Os manifestantes cobram do ações do Estado e da Vale para que busquem maneiras de resolver os problemas das famílias da região.

As informações são do Brasil de Fato.

Comentários encerrados.