Maduro quer diálogo com Guaidó e pede fim do extremismo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta sexta-feira (25) estar disposto a se encontrar com o presidente da Assembleia Nacional, de maioria oposicionista, Juan Guaidó. Ele disse que está aberto ao diálogo e à negociação. Para Maduro, há um esforço da direita para derrubar seu governo de forma violenta.

Em entrevista coletiva, concedida no Palácio Miraflores, sede do governo, Maduro disse ser um “democrata” e “homem da palavra”.

“Se eu tiver que ir falar com ele [Juan Guaidó], eu estou pronto porque eu acredito na verdade, eu sou um democrata, eu sou um homem de palavra, espero que mais cedo ou mais tarde a oposição saia do caminho do extremismo e se abra ao diálogo sincero”, afirmou.

Há dois dias, Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela. A iniciativa obteve apoio do Brasil, dos Estados Unidos, da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos (OEA), além de vários países individualmente.

Os Estados Unidos informaram que vão “enviar” US$ 20 milhões de fundos venezuelanos que estão retidos no país para ajudar a população.

* Com informações da Telesur e Agências

Comentários encerrados.