Justiça proíbe especulação da Empiricus, dona do site O Antagonista

O site O Antagonista não poderá mais veicular “análises” de mercado da Empiricus Research, decidiu a desembargadora Diva Prestes Marcondes Malerb, do Tribunal Regional da 3ª Região (TRF3).

Desde novembro passado, a dona do site O Antagonista conseguiu uma liminar que liberava a empresa Empiricus Research de se submeter às normas editadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Os sócios da Empiricus tiveram seus registros suspensos no final de 2017 pela Apimec (Associação de Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) por propaganda enganosa.

O site O Antagonista foi adquirido pela Empiricus há três anos, conforme anunciou a agência de especulação.

“Tivemos o prazer de anunciar em Março de 2016 que a Empiricus e O Antagonista juntaram forças”, diz um trecho do ‘comunicado importante’ que ainda nomina como sócios ‘os 3 Antagonistas, Diogo Mainardi, Mario Sabino e Claudio Dantas’.

“Considerando a inexistência de comprovação de que o conteúdo do material produzido pela Empiricus não se enquadra na definição de relatório de análise,a publicidade das análises técnicas é inerente ao exercício da atividade de analista de valores mobiliários, cujos relatórios e recomendações são divulgados ao público em geral, não há como se afastar a exigência de credenciamento”, sentenciou a desembargadora do TRF3.

O ápice da ilegalidade da Empiricus ocorreu no dia do primeiro turno presidencial, 7 de abril de 2018, quando a empresa de especulação cometeu crime eleitoral vedado pelo TSE — segundo, na época, os advogados do Partido dos Trabalhadores.

Há outros sites cujos donos são empresas de “consultoria”, qual seja, de especulação no mercado de ações e investimentos. A Infomoney, por exemplo, tem o dedo da XP/Investimentos que recentemente foi adquirida pelo banco Itaú. O BTG Pactual, interessado nas privatizações, quer assumir a editora Abril e a revista Veja.

Comentários encerrados.