Gleisi: Justiça Federal ofende religiosos e advogados do Brasil

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, por meio de nota, repudiou a decisão da Justiça Federal do Paraná que limitou religiosos e o advogado Fernando Haddad de visitarem regularmente o ex-presidente Lula.

Lula é mantido preso político na carceragem da PF de Curitiba há 295 dias. Ele cumpre pena antecipada de 12 anos e um mês, no caso tríplex, mesmo sem provas e com direito de recorrer às instâncias superiores em liberdade.

LEIA TAMBÉM

Moro fracassou com intervenção no Ceará, diz Globo

Leia a íntegra da nota:

PERSEGUIÇÃO ATINGE LULA MAIS UMA VEZ

Gleisi Hoffmann*

A perseguição ao ex-presidente Lula aumentou ainda mais com as novas restrições impostas, sexta-feira (25), pela Justiça Federal em Curitiba.

A proibição das visitas religiosas ao ex-presidente é uma ofensa que se estende aos líderes de diversos credos que já visitaram ou pretendem visitar Lula.

A proibição do companheiro Fernando Haddad advogar para Lula faz do ex-presidente um caso único no sistema judicial brasileiro: o cidadão que não pode escolher seu advogado.

As novas restrições aos direitos de Lula agravam ainda mais um quadro de injustiça que envergonha o Brasil e repercute ao redor do mundo.

Lula é um preso político, vítima de uma armação judicial para impedir que fosse eleito presidente da República.

LULA LIVRE!

*Gleisi Hoffmann, senadora pelo Paraná, é presidenta nacional do PT.

Comentários encerrados.