Por Esmael Morais

Gleisi e Haddad ‘metralham’ Bolsonaro por redução no salário mínimo

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que a decisão de reduzir salário mínimo de R$ 1.066,00 para R$ 998,00 prova que Jair Bolsonaro (PSL) não tem alma nem coração. “Começou: primeiro ato de Bolsonaro na presidência

Publicado em 02/01/2019

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que a decisão de reduzir salário mínimo de R$ 1.066,00 para R$ 998,00 prova que Jair Bolsonaro (PSL) não tem alma nem coração.

“Começou: primeiro ato de Bolsonaro na presidência é assinar decreto com novo salário mínimo abaixo do que foi aprovado pelo Congresso. Era pra ser R$ 1.006,00. Isso faz muita diferença pra quem ganha pouco!”, lamentou a dirigente petista.

LEIA TAMBÉM
Jair Bolsonaro reduz salário mínimo para R$ 998 no primeiro ato como presidente da República

O primeiro decreto presidencial de Bolsonaro, após ser empossado, foi ferrar os trabalhadores e a sociedade brasileira reduzindo o salário mínimo cuja previsão no orçamento era de R$ 1.066,00 a partir de ontem (1º). Desalmado e atrelado aos interesses dos mais ricos, o capitão reformado do Exército diminuiu o valor do mínimo para apenas R$ 998.

O ex-candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, derrotado no segundo turno, comparou à “selva” o corte no salário mínimo.

“Povo começou a se libertar do socialismo: salário mínimo previsto de R$ 1006,00 foi fixado em R$ 998,00. Sem coitadismo. Selva!”, criticou em tom de ironia.

O mínimo atual é de R$ 954,00, mas no projeto de orçamento de Michel Temer (MDB) a previsão era de que ultrapassasse a barreira dos mil reais (R$ 1.006).

Entretanto, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos (Dieese) afirma que o salário mínimo deveria valer R$ 4 mil.