Azedou o arroz doce de Flávio Bolsonaro, diz revista Veja

Compartilhe agora!

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) azedou o arroz doce do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Segundo relatório do órgão, o filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não tem renda compatível com a movimentação bancária entre 1º de agosto de 2017 e 31 de janeiro de 2018.

De acordo com a revista Veja, o senador eleito movimentou R$ 632 mil em seis meses. Foram R$ 337 mil em créditos e R$ 294 mil em débitos.

LEIA TAMBÉM

Tragédia em Brumadinho pode arrefecer tiroteio contra Flávio Bolsonaro

Para o Coaf, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, valor movimentado no período é incompatível com a renda de Flávio Bolsonaro.

A revista Veja afirma que o salário mensal do filho mais velho do presidente era de R$ 27 mil na época do relatório do Coaf.

De ofício, a instituição bancária é obrigada a comunicar ao Conselho sempre que o cliente movimenta recursos superiores a sua capacidade financeira.

Portanto, garante o Coaf, a renda declarada por Flávio aparentemente não é compatível com a movimentação financeira registrada no período analisado.

A publicação da editora Abril chama de lambança do “Zero Um” — como é chamado pelo pai presidente da República.

Compartilhe agora!