CNJ dá 15 dias para desembargadora do TJ do Rio explicar posts contra políticos

Publicado em 18 janeiro, 2019

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu nesta quinta-feira (17) um procedimento preliminar de investigação e determinou que a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), preste esclarecimentos em 15 dias sobre posts nas redes sociais com críticas ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) e ameaça a Guilherme Boulos, que é líder do MTST e foi candidato a presidente pelo PSOL.

LEIA TAMBÉM:
Indicado para comandar o ENEM cai antes de assumir

.

Em uma rede social, Marília afirmou que Renan Calheiros “manda nos dois conselhões: CNMP e CNJ” e que “se o Brasil deseja uma justiça íntegra tem que extinguir os dois conselhos petistas”.

A desembargadora também postou uma foto de Guilherme Boulos com os dizeres: “a tristeza no olhar de quem vai ser recebido na bala, depois do decreto do Bolsonaro”.

Após os esclarecimentos da magistrada, a Corregedoria do CNJ decidirá se abre ou não um processo para investigar a sua conduta.

.

Atualmente, tramitam no CNJ cinco procedimentos disciplinares contra a magistrada, todos relativos ao uso das redes sociais de forma inadequada.

Com informações do G1 e Uol