Cappelli: esquerda e Bolsonaro podem apoiar reeleição de Maia

O jornalista Ricardo Cappelli enxerga como ‘inteligente’ o movimento de Jair Bolsonaro — e do PSL — pela reeleição de Rodrigo Maia na Câmara. O articulista ainda vislumbra chapa de consenso com a esquerda. Por fim, Cappelli elogia: “O Capitão demonstra que sua ‘maluquice pode não ser tão maluca assim'”.

LEIA TAMBÉM
Em menos de 24h, Bolsonaro toma 17 medidas que ‘ferram’ o povão

A estreia da realpolitik bolsonarista

Ricardo Cappelli*

Esqueçam os exageros ideológicos. Servem apenas para animar a plateia e manter mobilizado o núcleo duro. O exercício do poder real exige pragmatismo. A vida prática sempre se impõe.

Foi inteligente o acordo do PSL de Bolsonaro com Rodrigo Maia. O partido do presidente corria o risco de ficar isolado. Melhor ganhar com Rodrigo. Governo pode ser sócio de vitória. Não pode é ser derrotado. Maia não é um Bolsonarista, mas tem afinidade com o discurso liberal de Guedes.

Mais inteligente ainda foi Rodrigo ao anunciar publicamente que avisou ao PSL que também quer o PT. Se posiciona como o candidato do parlamento democrático e do respeito institucional aos partidos.

Não é uma equação simples, ainda podem acontecer reviravoltas, mas ter Maia como “teto” de Bolsonaro não deixa de ser bom na atual conjuntura. Poderia ser alguém bem pior.

Maia é do DEM, tem suas posições públicas liberais, mas cumpre acordos e respeita o espaço dos partidos na Casa.

A esquerda agora fará sua escolha. Se apoiar Maia unge o atual presidente da Câmara como o candidato do consenso. Seria uma vitória extraordinária de Rodrigo. Seria reeleito sem ser devedor de nenhum dos lados.

No momento, qualquer outro caminho para a esquerda parece ser o do isolamento, apenas para marcar posição. Deixaria Maia livre para aprofundar seus acordos com o lado de lá, livre de qualquer compromisso com a esquerda.

Bolsonaro decidiu ceder e não correr risco. A esquerda vai negociar o possível ou marcar posição? O jogo recomeçou. A realpolitik está entrando em campo novamente. O Capitão demonstra que sua “maluquice pode não ser tão maluca assim”.

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília. Foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) na gestão 1997-1999.

Comentários encerrados.