Por Esmael Morais

Sindicatos ficarão sob a tutela de Sérgio Moro, diz ministro da transição

Publicado em 03/12/2018

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (3) que o ex-juiz Sérgio Moro será o responsável pela emissão de carta sindical via Ministério da Justiça.

Perdoado por Moro recentemente pelo crime de caixa dois, o futuro ministro da Casa Civil adiantou que o Ministério do Trabalho será extinto e as tarefas atinentes a ele serão atribuídas ao colega da Justiça.

LEIA TAMBÉM
Silvio Santos deixa petistas indignados com piada sobre prisão de Lula; assista ao vídeo

“O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes, lá no Ministério da Economia, para ter tanto a parte do trabalhador quanto do empresário dentro do mesmo organograma”, disse Onyx durante entrevista à Rádio Gaúcha.

Na prática, Moro quer criminalizar a atividade sindical no Brasil tal qual tentou fazer este ano o governo Mauricio Macri na Argentina.

O ex-juiz terá a discricionariedade para conceder ou não a carta sindical, que é a autorização do governo federal para a entidade sindical praticar atos de representação da categoria patronal ou trabalhadora.

O argumento é que a concessão da carta sindical foi alvo da Operação Registro Espúrio, que investigou esquema envolvendo o presidente do PTB, Roberto Jefferson e a filha dele, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ).

A Polícia Federal também apontou participação em ações criminosas do ex-ministro do trabalho, Helton Yomura, e dos deputados federais Jovair Arantes (PTB-GO), Paulinho da Força Sindical (SD-SP), Wilson Santiago Filho (PTB-PB) e Nelson Marquezelli (PTB-SP).