Pela doutrina Moro, filho de Bolsonaro poderá terminar na prisão

Se o Congresso Nacional levar a cabo a proposta do ex-juiz e futuro ministro da Justiça Sérgio Moro, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que vá colocando a barba de molho desde já.

O ex-magistrado da lava jato quer prisão em regime fechado, em qualquer tamanho de sentença, para os condenados por corrupção ou desvio de dinheiro público (peculato).

LEIA TAMBÉM
Zé Dirceu alerta Bolsonaro: ‘Aquela cadeira de presidente queima’; assista ao vídeo

Numa elevação do punitivismo à graduação máxima, Sérgio Moro deseja que o agente cumpra o regime inicial de reclusão mesmo que a pena seja inferior a 2 anos.

Hoje, de acordo com o Código Penal, o regime inicial fechado se cumpre somente quando a pena é superior a 8 anos.

“Uma ideia é o regime fechado inicial para pessoas que cometem alguns crimes contra a administração pública”, adianta o futuro ministro da Justiça. Para minimizar seu pacote punitivista, Moro completou: “salvo se a vantagem indevida ou o produto do peculato for de pequeno o valor”.

Pela doutrina Moro, o filho do presidente eleito Jair Bolsonaro — se futuramente condenado pelos supostos desvios na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), com base nos relatórios do Coaf –, independentemente da pena, terminaria na prisão.

O endurecimento das leis penais no Brasil foi uma marca nos governos do PT [leia-se Lula e Dilma Rousseff] dentre as quais se destacam a da organização criminosa, ficha limpa, antiterrorismo, delação e que modifica o Código de Processo Penal (CPP). Incrivelmente, quase todas elas se voltaram contra os próprios petistas no âmbito da criminalização política.

Independentemente de o endurecimento de Moro atingir “A” ou “B”, direita ou esquerda, o combate à corrupção do ex-juiz e futuro ministro é seletivista e um fetiche nefasto ao país como já foi explicado aqui. A lava jato, por exemplo, em quase cinco anos, trouxe mais prejuízos do que benefícios ao Brasil.

Comentários encerrados.