Pela 1ª vez, desde a redemocratização, não haverá indulto de Natal para presos

O Tinhoso [Michel Temer] e o Coiso [Jair Bolsonaro] chegaram a um acordo lá no inferno: neste ano não haverá indulto de Natal, nem que Jesus Cristo saia da cruz.

A medida de indultar apenados que atendam certos requisitos era costume no Brasil, mas, nestes tempos de lava jato e Bolsonaro, pela 1ª primeira vez desde a redemocratização, o presidente da República não irá conceder o indulto natalino para os encarcerados.

LEIA TAMBÉM
Engrossa a lista dos que não virão à posse de Jair Bolsonaro; confira

Temer comentou no último final de novembro acerca do decreto de 2017, barrado pelo STF, que suspendia o perdão do ano passado: “Estou constitucionalmente correto”, disse. Nesta declaração, o Tinhoso estava corretíssimo e o Blog do Esmael já se manifestou antes sobre isso afirmando que se tratou da única política acertada em dois anos e meio de golpe de Estado.

Pela proposta do ano passado, Temer havia acertado do ponto de vista da política criminal ao indultar cerca de 30 mil presos reduzindo de um quarto para um quinto da pena para não reincidentes. Atualmente, o país possui cerca de 730 mil presos — a terceira maior população carcerária do planeta, atrás somente dos Estados Unidos e da China.

Porém, o Diabo convenceu Michel Temer a não indultar presos neste Natal de 2018. Bolsonaro concorda com isso e jurou, recentemente, que em seu governo não haverá nenhum indulto a presos.

Resumo da ópera: haverá festa no inferno durante este Natal.

Comentários encerrados.