Bolsonaro sugere fraude em urnas eletrônicas para driblar denúncia de corrupção

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) resgatou velha e surrada paranoia, a fraude nas urnas eletrônicas, com o objetivo de driblar denúncias de corrupção contra ele e sua família.

O capitão reformado do Exército se viu enrolado em denúncia de suposto “cachorro” operado pelo motorista de seu filho, Flávio Bolsonaro, deputado estadual e senador eleito pelo Rio, que teria movimentado atipicamente R$ 1,2 milhão.

LEIA TAMBÉM
Líder do PT ingressa com representação criminal contra filho e mulher de Bolsonaro

De acordo com o Coaf, órgão que a partir do mês que vem estará subordinado a Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça, o motorista de Bolsonaro não tem rendimentos que justifiquem a movimentação financeira.

“Nós pretendemos votar no primeiro semestre uma boa proposta de sistema de votação no Brasil. Porque eu e muitos entendem que nós conseguimos a vitória porque tínhamos muitos, mas muitos mais votos do que eles [PT], e tivemos uma situação parecida, de um certo equilíbrio”, desviou o presidente eleito, buscando mudar a pauta.

Bolsonaro voltou a sugerir fraude nas urnas eletrônicas, com participação do PT, no segundo turno presidencial.

Entretanto, o presidente eleito ainda deve uma explicação convincente sobre a suposta “gafanhotagem” com o salário de servidores de gabinetes dos Bolsonaro.

Comentários encerrados.