Tradicional Escola de Minas Gerais é alvo de tentativa de censura pelo MP

Uma tradicional escola católica de Belo Horizonte (MG), o Colégio Santo Agostinho, está respondendo a um processo na Justiça por causa de supostas aulas que falavam sobre a chamada “ideologia de gênero” a alunos das 3ª e 6ª.

É um reflexo na prática de como a o projeto “Escola sem Partido” pode causar estragos mesmo antes de ser aprovado.

LEIA TAMBÉM: ‘Escola Sem Partido’ é rejeitada por 150 entidades de 87 países

O Ministério Público pede na ação que a escola devolva os valores referentes às matriculas e mensalidades de 2017 para pais de alunos das 3ª a 6ª séries de várias unidade.

“Considerando a situação de risco a que foram expostos no âmbito das referidas escolas, nas aulas a eles ministradas”, diz o MP na ação.

A ação foi movida pela Procuradoria da Infância e da Adolescência mas está sendo questionada por outra procuradoria, a de Educação. Agora, a possibilidade de cancelamento da ação está aos cuidados da Procuradoria-geral do Estado de Minas Gerais.

O caso teve início no ano passado, quando 84 responsáveis por alunos enviaram uma notificação extrajudicial à sociedade mantenedora da Escola.

O texto exigia da escola parar de ministrar em sala de aula conteúdos relacionados a temas como gênero e sexualidade. O grupo fez também uma representação no Ministério Público contra a instituição alegando o mesmo tema.

Por meio de nota, o Santo Agostinho informou que não contempla em seu projeto pedagógico, a ideologia de gênero.

“A ação judicial contém alegações absurdas, desconectadas da realidade e sem correspondência com a verdade. O Colégio Santo Agostinho já está tomando as medidas judiciais cabíveis, seja para nos defender contra as falsas alegações a nós atribuídas, seja para responsabilizar as pessoas e os agentes que estão divulgando essas mentiras”, divulgou a Instituição.

Com informações de Agências.

Comentários encerrados.