Prefeitos estão irados com Bolsonaro pela mancada do “menos médicos”

Os prefeitos de milhares de municípios brasileiros, muitos deles que apoiaram efusivamente a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), estão desesperados com a saída dos médicos cubanos do país. Eles estão irados, com razão, pois suas cidades vão perder parte importante da atenção básica na saúde.

Um dos casos é o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB). A Cidade do Paraná deu 74% dos votos a Bolsonaro vai perder 75% dos médicos.

Rangel afirmou que este é o problema mais grave que ele enfrentou em sua administração. Segundo ele, a administração está trabalhando intensamente para fazer contratações emergenciais de médicos que substituam, em parte, os cubanos.

“Estamos muito preocupados, a situação é muito grave. Esse é o primeiro grande baque, o primeiro imbróglio do novo governo”. Completou.

LEIA TAMBÉM: Defensoria Pública da União pede à Justiça manutenção das regras atuais do Mais Médicos

O presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP) Frank Schiavini, enviou ofício ao ministro da Saúde, Gilmar Occhi. Schiavini pede esclarecimentos sobre como agir e pede que o programa continue.

A realidade é que as cidades pequenas e médias têm dificuldades para contratar médicos para a atenção básica no SUS. Os concursos são são atrativos para os profissionais que ganham salários muito maiores nas cidades grandes e no atendimento particular.

Com a vinda do programa mais médicos no governo da presidenta Dilma Rousseff (PT), o governo federal resolveu, de uma só vez, diversos problemas. Isso melhorou muito a qualidade de vida no interior e nas regiões mais pobres.

Nem que o governo federal queira, não existe mão de obra para substituir os cubanos, que começam a deixar o país já neste dia 25 de novembro.

LEIA TAMBÉM: Em artigo, Dilma fulmina Bolsonaro por destruição do Mais Médicos

Com informações da Rádio CBN

Comentários encerrados.