Por Esmael Morais

Papa Francisco sugere venda de bens culturais da Igreja para ajudar pobres

Publicado em 29/11/2018


O papa Francisco afirmou, nesta quinta-feira (29), durante um congresso sobre a gestão dos bens eclesiásticos e a cessão de lugares de culto, que o valioso patrimônio cultural da Igreja Católica deve estar “a serviço dos pobres” e que sua eventual venda não pode ser vista com “escândalo”. O encontro foi promovido pelo Pontifício Conselho para a Cultura e pela Conferência Episcopal Italiana (CEI). As declarações de Bergoglio provocaram novos estremecimentos no interior da cúpula do Vaticano.

“Os bens culturais são voltados às atividades de caridade desenvolvidas pela comunidade eclesiástica. O dever de tutela e conservação dos bens da Igreja, e em particular dos bens culturais, não tem um valor absoluto, mas em caso de necessidade eles devem servir ao bem maior do ser humano e especialmente estar a serviço dos pobres”, disse o Papa.

Segundo Francisco, a constatação de que muitas igrejas “não são mais necessárias por falta de fiéis ou padres ou por mudanças na distribuição da população nas cidades e zonas rurais deve ser vista como um sinal dos tempos que nos convida a uma reflexão e nos impõe uma adaptação”.

Na mensagem, Jorge Bergoglio ressaltou que a cessão de bens da Igreja “não deve ser a primeira e única solução”, mas também não pode ser feita sob “escândalo dos fiéis”.

*Com informações da Ansa