Palocci tenta a liberdade com novas acusações contra Lula

Publicado em 25 novembro, 2018
Compartilhe agora!

O partido da lava jato ao deflagrar nesta sexta (23) a 56ª fase, já sob comando da juíza Gabriela Hardt, tinha como objetivo Lula.

LEIA TAMBÉM
Marcos Coimbra, dono do Vox Populi, afirma que houve fraude na eleição de Bolsonaro

Ato contínuo à operação da legenda do judiciário, que chegou ao poder com Sérgio Moro no Ministério da Justiça, veio à tona os termos da delação premiada do ex-ministro Antônio Palocci à Polícia Federal sobre os fundos de pensão.

Preso há mais de dois anos pela lava jato em Curitiba, Palocci tenta a liberdade lançando novas acusações criminalizando o ex-presidente Lula. A soltura do ex-ministro depende de elementos — verdadeiros ou não — que reforcem a condenação do petista que é mantido preso político há 231 dias na PF de Curitiba.

Palocci inovou desta vez ao dizer que Lula mandava os fundos de pensão — Previ, Petros e Funcef — investirem na Sete Brasil, criada em 2010 para contratar para Petrobrás construção de navios-sondas para exploração do pré-sal.

O boom do pré-sal no governo Lula desenvolveu a indústria naval brasileira e gerou mais de 100 mil empregos diretos. Entretanto, com a lava jato, a fabricação desses navios-sonda deixaram de ocorrer e os estaleiros que mantinham contratos com a Petrobras foram fechados.

Os petroleiros acusaram o então juiz Sérgio Moro, há dois anos, de desempregar 1,5 milhão de trabalhadores somente em função da operação lava jato.

Compartilhe agora!