Ministra de Bolsonaro, a Menina Veneno, fez parceria com a JBS

Publicado em 18 novembro, 2018
Compartilhe agora!

A deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), conhecida como Menina Veneno, indicada por Jair Bolsonaro (PSL) para o Ministério da Agricultura, ocupava o cargo de secretária do Agronegócio do Mato Grosso do Sul quando o grupo JBS recebeu incentivos fiscais naquele estado.

LEIA TAMBÉM
A pedido de Bolsonaro, Temer corta R$ 77,8 milhões de programas de saúde mental

A concessão de benefícios ocorreu na gestão André Puccinelli (MDB-MS) — preso em julho pela Operação Lama Asfáltica da Polícia Federal sob acusação de corrupção.

A empresa de Joesley Batista, em delação premiada, afirma que pagou durante 13 anos propinas entre 20% e 30% do valor total dos créditos tributários ao governador. O esquema teria rendido R$ 150 milhões para o grupo político de Puccinelli, segundo o Ministério Público Federal.

No período em questão, o dublê de secretária e fazendeira fez com que Tereza Cristina arrendasse uma área por R$ 918 mil anuais para a JBS. Também na campanha de 2014, Menina Veneno recebeu R$ 103 mil da empresa dos irmãos Batista a título de contribuição.

O apelido de Menina Veneno da futura ministra da Agricultura ‘pegou’ porque ela ainda recebeu doações de executivos diretamente ligados aos agrotóxicos na sua campanha de reeleição para o Legislativo. Além disso, na Câmara, Tereza Cristina batalhou pelo avanço do Projeto de Lei (PL) 6.299/2002, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação dos agrotóxicos.

Compartilhe agora!