Haddad pode virar ‘ongueiro’ se apostar em esquerda por fora dos partidos, diz Cappelli

O jornalista Ricardo Cappelli critica o candidato derrotado do PT, Fernando Haddad, por rejeitar postos nas estruturas de direção partidária e apostar em “frentes com a sociedade”. Para o articulista, Haddad pode virar um ‘ongueiro’ ao flertar com uma esquerda por fora dos partidos e das estruturas formais de poder.

TRAVESSIA NO MAR REVOLTO

Ricardo Cappelli*

A entrevista de Haddad à Folha é interessante. Localiza corretamente alguns dos elementos da conjuntura internacional que nos levaram à derrota.

O capítulo sobre as conversas com Ciro possui contradições. Acerta quando diz que faltou ao pedetista habilidade para construir uma aproximação, e que Ciro erra ao querer construir uma alternativa de centro-esquerda rompendo com o Lulismo.

LEIA TAMBÉM
Deltan enquadra STF: nada de indulto de Natal

Haddad, no entanto, contradiz seus próprios argumentos – sobre a possibilidade de apoio ao candidato do PDT – ao fazer uma analogia com as aspirações de Eduardo Campos.

Afirma que o PT passaria o bastão da liderança ao PSB se o socialista tivesse aceitado ser vice de Dilma. Diz ainda, quando questionado sobre hegemonismo, “que o PT sabe defender suas posições”.

O saudoso Eduardo Campos, que tanta falta faz a esquerda brasileira, era um quadro extraordinário, com luz própria. A “fala-imposição” do ex-prefeito de SP soa grosseira, expressa uma visão equivocada sobre o conceito de hegemonia.

No desenrolar da entrevista, ao rejeitar postos nas estruturas de direção partidária e apostar em “frentes com a sociedade”, Haddad flerta com uma esquerda por fora dos partidos e das estruturas formais de poder. Um “preconceito-negação” da política partidária muito comum aos acadêmicos.

Será difícil liderar o PT com estas posições. Os baianos do partido têm Jaques Vagner, uma das principais cabeças da esquerda brasileira hoje. Dirigem pela quarta vez consecutiva a Bahia com Rui Costa, um governador jovem que esbanja competência e tem cheiro de renovação.

É cedo ainda para dizer que Lula continuará a ditar sozinho os rumos da legenda.

Por outro lado, um Bloco partidário vai se formando, disposto a liderar uma oposição dura mas programática, distante de sectarismos e gritarias.

Política e poder são momento. Manter protagonismo exige dos derrotados muita amplitude, sabedoria política e capacidade de liderança. Os próximos quatro anos serão uma longa travessia num mar revolto. Nadar sozinho será muito arriscado. O risco de afogamento é enorme.

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília. Foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) na gestão 1997-1999.

Comentários encerrados.