Evangélicos perdem embate da Educação para Olavo de Carvalho

O jornalista Olavo de Carvalho, principal doutrinador de direita do futuro governo Bolsonaro, venceu o embate com a bancada da Bíblia ao indicar para o Ministério da Educação (MEC) o filósofo colombiano Ricardo Vélez Rodríguez.

LEIA TAMBÉM
URGENTE: Justiça Federal determina fechamento de pedágio no Paraná

De extrema-direita tal qual seu “padrinho”, o novo ministro registrou em seu blog que um dos que apoiaram sua indicação foi o “professor e amigo Olavo de Carvalho”.

Mais cedo o pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, contava como “certo” o procurador Guilherme Schelb no MEC, mas acabou perdendo o embate para Olavo de Carvalho.

O religioso tinha afirmado que a expressiva maioria da bancada evangélica apoiava Schelb e prometeu publicar um documento em favor do procurador.

“Guilherme Schelb não tem medo de tocar onde a esquerda se perpetuou na Educação”, elogiou Malafaia, que ainda prosseguiu: “Ele vem travando batalhas contra a ‘ideologia de gênero’ nas escolas, tem livros escritos sobre isso, instruindo os professores e os pais.”

O colombiano de extrema-direita na Educação é um atraso. Ele já defendeu ‘Conselhos de Ética’ nas escolas para patrulhar alunos e professores. Mas, com certeza, o MEC sob a tutela de uma religião seria muito pior.

Nunca é bom lembrar aos atores que a Constituição de 1988 definiu o Brasil como uma República laica, isto é, sem um credo oficial.

Comentários encerrados.