Cappelli: radicalóides atacam comandante do Exército

Publicado em 11 novembro, 2018

O jornalista Ricardo Cappelli não poupa as lideranças de esquerda, dentre as quais a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, que criticaram entrevista do Comandante do Exército General Villas Boas à Folha.

LEIA TAMBÉM
Gleisi: Entrevista de Villas Boas à Folha evidencia trama política contra Lula

Segundo o articulista, foi uma entrevista ‘irretocável’ e que se tratou de palavras de um brasileiro com ‘B maiúsculo’ ciente de seus deveres e responsabilidades.

“Os radicalóides irresponsáveis que o atacam ignoram que agiu sempre para segurar a ala radical no limite da Constituição”, opina Cappelli.

O jornalista afirma ainda que se trata de uma turma da esquerda irresponsável, bravateira, que sonha com a volta da ditadura pra poder posar de “herói da resistência”.

Leia a íntegra:

OS BRAVATEIROS TORCEM POR UMA DITADURA

por Ricardo Cappelli*

A entrevista do Comandante do Exército, General Villas Boas à Folha foi irretocável, palavras de um brasileiro com B maiúsculo ciente de seus deveres e suas responsabilidades.

Tive a oportunidade de conhecer o General. Não temos afinidades ideológicas, mas é incontestável seu preparo intelectual e seu respeito à Constituição.

Os esquerdistas patéticos que distorcem suas palavras para atacá-lo não têm a menor ideia do que acontece nas Forças. Por que Villas Bôas, um homem numa cadeira de rodas com uma doença degenerativa irreversível, se manteve no Comando?

Os posicionamentos dele sempre foram no limite. O Brasil esteve sempre no limite nos últimos anos. Os radicalóides irresponsáveis que o atacam ignoram que agiu sempre para segurar a ala radical no limite da Constituição.

É uma turma da esquerda irresponsável, bravateira, que sonha com a volta da ditadura pra poder posar de “herói da resistência”. Fazem coro com a ala radical dos militares apostando na desestabilização do país.

UMA VERGONHA.

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília. Foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) na gestão 1997-1999.