Bolsonaro pressiona para Temer vetar aumento de ministros do STF

‘Tem que vetar isso aí, tá ok?’, teria pedido o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para o atual Michel Temer (MDB) acerca do aumento salarial de 16% para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

LEIA TAMBÉM
Aldo afirma que judiciário é ‘ameaça à democracia’ e defende as Forças Armadas

Em público, Bolsonaro foi mais político ao jogar a batata quente nas mãos de Temer:

“Agora, está nas mãos do presidente Temer, não sou o presidente Temer, mas se fosse, acho que você sabe qual seria minha decisão. Não tem outro caminho, no meu entender, até pela questão de dar exemplo. Eu falei antes da votação que é inoportuno, o momento não é esse para discutir esse assunto. O Brasil está numa situação complicadíssima, a gente não suporta mais isso aí, mas a decisão não cabe a mim. Está nas mãos do Temer. Eu, por enquanto, sou apenas o presidente eleito”, despistou o Coiso.

Na última quarta (7), o Senado aprovou o aumento no salário dos ministro da suprema corte que foi de R$ 33,7 para R$ 39,3 mil. O reajustão ainda depende de o presidente da República sancionar o projeto aprovado a toque de caixa.

O diabo é que Temer, pendurado em ações penais no STF, também quer um emprego de embaixador na Itália para fugir os processos. Pressionado por Bolsonaro, o Tinhoso pode vetar o aumento e zarpar do país rumo ao exílio no “País da Bota”.

Nunca é demais lembrar que o embaixador goza de imunidade, assim como o Presidente da República. Ou seja, Temer mão pode ser preso ou detido no país hospedeiro por força do costume e do direito internacional.

Comentários encerrados.