Bolsonaro indica condenado por estelionato para compor equipe de transição

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou para compor a recém anunciada equipe de transição de governo um correligionário condenado por estelionato que já esteve preso três vezes com base na Lei Maria da Penha.

Trata-se do vice-presidente nacional do PSL e deputado federal eleito pela Paraíba, Julian Lemos, que foi coordenador da campanha de Bolsonaro na região nordeste.

Sócio de uma empresa de segurança, a acusação de de estelionato está relacionada ao uso de certidões falsas num contrato para prestação de serviços à Secretaria de Educação e Cultura da Paraíba, em 2004. Em 2011 ele foi condenado a prisão, mas o caso prescreveu antes da análise em segunda instância.

Já o enquadramento do deputado na Lei Maria da Penha foi consequência das agressões que praticou contra a ex-esposa e irmã, que ocorreram entre 2013 e 2016.

No entanto, o deputado afirma que todos as todas acusações não são verdadeiras e que foi vítima dos sócios e da “fragilidade emocional” das mulheres.

Comentários encerrados.