Bolsonaro esvazia futura Casa Civil de Onyx Lorezoni e reforça o ‘gerentão’ Mourão

A equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), opera um novo organograma de atribuições para o futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorezoni (DEM-RS), que passaria a coordenar apenas a relação com as duas casas do Congresso Nacional. O futuro ministro tem enfrentado forte “fogo amigo” de setores bolsonaristas, em particular de parlamentares do PSL, partido de Bolsonaro.

No novo desenho palaciano, ganha força política o vice-presidente Hamilton Mourão, que se transformaria numa espécie de “gerentão” do governo, coordenando e monitorando o trabalho feito por todos os ministérios. Se o novo desenho for adotado, o Palácio do Planalto perde uma secretaria com status de ministério – a de Governo –, ficando com apenas três pastas: Casa Civil mais enxuta, com Lorenzoni; Gabinete de Segurança (GSI), com o general Augusto Heleno, e Secretaria-Geral da Presidência, que deverá ser ocupada pelo advogado e ex-presidente do PSL, Gustavo Bebiano.

O general Hamilton Mourão controlaria também os programas e obras governos do governo, como por exemplo, o PAC – Programa de Aceleração do Crescimento ou similar que venha ser adotado pela gestão Bolsonaro.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários encerrados.