Por Esmael Morais

Bolsonaro diz que vai censurar o ENEM

Publicado em 10/11/2018

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou (em live no Facebook) na noite de ontem (9) que pretende censurar o Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM) no ano que vem.

Segundo o presidente eleito, a partir do ano que vem vai tomar conhecimento do conteúdo dos cadernos antes da aplicação da prova.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro, o Coiso, gera pânico entre professores

“Essa prova do Enem, vão falar que eu estou implicando. Agora pelo amor de Deus. Esse tema da linguagem ‘particulada’, aquelas pessoas, o que isso tem a ver? Vai estimular a molecada a se interessar por isso agora. No ano que vem, pode ter certeza, não vai ter questão dessa forma. Nós vamos tomar conhecimento da prova antes”, disse Bolsonaro.

Os professores responsáveis pela elaboração das provas estão assustados com Bolsonaro porque, segundo eles, até agora nunca aconteceu qualquer espécie de interferência do Executivo no conteúdo das provas.

No último domindo (4), quando aconteceu a primeira fase do exame, o Caderno de Linguagem trouxe uma questão sobre o dialeto secreto utilizado por gays e travestis, chamado de pajubá, fato que irritou profundamente Bolsonaro.

Na ocasião, o presidente eleito classificou a prova do ENEM como “uma doutrinação desacerbada”.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais Anízio Teixeira (INEP), responsável pelo ENEM, neste ano 5, 5 milhões de candidatos participam do teste.

Os candidatos responderam no primeiro dia as provas de linguagens, ciências humanas e redação. Respondem amanhã (11) as provas de ciências da natureza e de matemática.